MANAS EYEWEAR - CNPJ 26.348.764/0001-66 

manasnomapa@gmai.com // (11) 99899-7284

Itatiba - SP (Não realizamos trocas)

Posts Em Destaque
Please reload

| Yoko Ono, Nova York | #tbt

May 4, 2017

 

Na paisagem urbana vista de dentro do Central Park, é possível ver o edifício Dakota ao lado destas duas torres. É lá que mora a mulher do nosso #tbt de hoje. Existem muitas mulheres incríveis que desconhecemos e no esquecimento acabam sendo silenciadas. Nesta semana vamos falar de uma mulher que é um pouco diferente da maioria dos exemplos que conhecemos. Neste caso, é alguém que ficou injustamente muito conhecida pela sombra de seu falecido marido. 
Yoko Ono é uma dessas mulheres de deveríamos ter visto na escola, nos servindo de exemplo por ter lutado e conquistado um lugar de fala sendo mulher e imigrante. Uma das artistas contemporâneas mais importantes, Yoko ficou conhecida por ter ampliado o campo da performance com suas instruções (que mais parecem pequenas performances). Seu livro de instruções Grapefruit inspirou John Lennon a escrever a famosa canção "Imagine". Muito de suas contribuições para arte também foram de aproximações da música com a performance. A partir da influência dos pais, a artista começou a estudar piano aos 4 anos de idade. Na Faculdade, onde estudou poesia e composição musical, Yoko ficou conhecida por suas composições "avant-garde". Hoje em dia Ono já conta com uma grande discografia e inúmeras participações, influenciando diversos músicos hoje reconhecidos como B52's e Meredith Monk. Ono 
É possível ouvir alguns de seu CD's no Spotify que contam com parcerias de Le Tigre, Flaming Lips, Peter Bjorn and John, Moby, entre outros. Além disso, Ono é bem ativa em sua conta de twitter (@yokoono), ainda postando algumas de suas instruções . 
Para quem tem a possibilidade de visitar São Paulo a artista está com uma exposição no Instituto Tomie Ohtake. A exposição "O céu ainda é azul, você sabe..." conta com uma série de instruções propostas ao espectador, tais quais são possíveis de realiza-las na exposição e leva-las para além da exposição, como uma experiência imaterial, reflexiva, quase meditativa. 
 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Please reload

  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square